Número total de visualizações de página

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

OS HOSPITAIS MEDIEVAIS DE LISBOA - Hospital de D. Maria Aboim (ou de Boim)


D. Maria Anes de Aboim era filha de D. João de Aboim, Mordomo-mor do rei D. Afonso III, tendo recebido de seus pais a vila e castelo de Portel, Vila Boim e vários outros bens, foi casada com o fidalgo espanhol D. João Fernandes de Límia; já viúva desde 1316, sem descendência, lavrou o seu testamento em Lisboa, a 30 de Julho de 1337 (1375 na era de Cristo), no qual deixou fundado um hospital, falecendo nesse mesmo ano. Consideramos então o hospital como fundado em 1375, tendo 10 camas destinadas a merceeiras.[1]
No testamento de D. Maria Aboim poderia ler-se: “filho as minhas casas dapar de S. Domingos de Lisboa, também as de morada, como as foreiras para deus e mando que os meus testamenteiros façam em elas um hospital em que ponham dez mulheres pobres no dito hospital, que sejam de boa nomeada e um homem para ser Albergueiro e mandarão que lhe deem em cada um ano seis côvados de valenciana a cada uma e ao Albergueiro e de dois em dois anos a elas e ao Albergueiro sapatos e vinte soldos para camisas e cada dia dezoito dinheiros a cada uma para comer”. D. Maria deixou ainda ao hospital bens existentes em Lisboa, Sintra, Mafra e Leiria, pratas, alfaias, azêmolas e toda a liteira (roupa de cama). [2]
O hospital ficava situado na freguesia de Santa Justa, perto de S. Domingos, a norte do Paço dos Estaus e encostando-se no seu lado norte à Torre da Inquisição da muralha fernandina, que pertencia ao hospital;[3] esta situação localiza-nos na actualidade no quarteirão situado na Praça D. João da Câmara, a norte do Teatro D. Maria II.
Foi o hospital administrado durante muitos anos pela Câmara de Lisboa; sabe-se que um dos seus Provedores foi Lourenço Anes Curto, provedor de 1389 a 1404 e de 1406 a 1407, ano em que foi exonerado por D. João I, devido a incompetência e falta de zelo, a pedido da Câmara; o rei autoriza o Conselho de Lisboa, que governava à data o estabelecimento,[4] a nomear novo provedor e compromete-se a liquidar as dívidas que Lourenço Anes tivesse contraído no exercício do cargo. D. João II, seguindo a sua política de poder sobre as instituições, particularmente sobre os hospitais, assume a administração em substituição da Câmara. Sabe-se ainda que continuava o seu funcionamento no ano de 1492, quando se foi feito um aforamento de umas casas que lhe pertenciam, por Estevão Martins, Mestre Escola na Sé e Provedor-mor e juiz dos Hospitais, Albergarias, Confrarias e Capelas de Lisboa.[5]
Tendo sido incorporado no Hospital de Todos-os-Santos,[6] manteve-se ainda a Mercearia em funcionamento, anexa ao Hospital Real, com o ordenado de dois mil cento e quarenta reis por ano, albergando com dez merceeiras,.[7]


[1] Fernando da Silva Correia, Os Velhos Hospitais da Lisboa Antiga, Revista Municipal nº 10, Câmara Municipal de Lisboa, 1941, p. 10
[2] Augusto da Silva Carvalho, Crónica do Hospital de Todos-os-Santos, Edição do V Centenário da Fundação do Hospital Real de Todos-os-Santos, 1992, p. 285-286
[3] A. Vieira da Silva, A Cerca Fernandina de Lisboa, vol. I, Câmara Municipal de Lisboa, 1948, p. 102
[4] A oligarquia camarária de Lisboa (1325-1433), Anexo I – Corpo Prosopográfico, p. 552, em http://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/569/7/17434_7-Anexo_1.pdf
[5] Mário Carmona, O Hospital Real de Todos-os-Santos da Cidade de Lisboa, 1954, p. 55
[6] Fernando da Silva Correia, Os Velhos Hospitais da Lisboa Antiga, Revista Municipal nº 10, Câmara Municipal de Lisboa, 1941, p. 11
[7] João Brandão (de Buarcos), Grandeza e abastança de Lisboa em 1552, Livros Horizonte, 1990, p. 130

Sem comentários:

Enviar um comentário