Número total de visualizações de página

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

OS HOSPITAIS MEDIEVAIS DE LISBOA - Hospital do Corpo Santo

Frei Pedro Gonzalez ou Pero Gonçalvez, da Ordem dos Pregadores ou Dominicanos, terá nascido em 1185 e falecido em 1240 ou 1246, após o que foi sepultado na catedral de Tuy; tendo ingressado no convento dominicano de Palência, região de onde era natural, radicou-se posteriormente na Galiza, onde viveu grande parte da vida. A sua figura prende-se à veneração dos mareantes, sendo relatados muitos milagres que o associam à protecção de embarcações durante tempestades, como bem descreve Frei Luís de Sousa (falecido em 1622): “S. Pero Gonçalves, em sendo chamado, acode logo com luz, em penhor de sua assistência, a qual enche de esperança os afligidos, tão certa que logo se dão por remediados e salvos, por grande que seja o trabalho. (...) He este farol hum lume como de huma vela, o qual toma lugar certo na nao: ora aparece sobre os mastros, ora nas gáveas, ora nas antenas, e às vezes sobre lugares mais baixos dos navios; e o ordinário é não se ver senão em tempestades de grande perigo. Tanto que aparece, logo toda a nao lhe dá as graças com grita e alegria, dizendo: «Salva, Corpo Santo!»; porque na linguagem ordinária dos mareantes Portugueses, por este nome de Corpo Santo he conhecido S. Pero Gonçalves.” [1] Vemos pois que o santo se encontrava unido ao fenómeno de ionização do ar que ocorre durante tempestades de forte campo electro-magnético, designado na gíria náutica por “Fogo de Santelmo”.  A designação de S. Temo ou Santelmo refere-se exactamente à mesma personagem, tendo este último nome sido adoptado sobretudo em Espanha e Itália, provavelmente por analogia itálica com São Erasmo (também designado por Ermo ou Telmo); certo é que Pedro Gonçalves não possuía Telmo no seu nome. Considerado como protector dos mareantes, foi objecto de culto intenso em toda a costa de Portugal, sendo finalmente canonizado no século XVIII.
No Largo actualmente designado por Corpo Santo, existia a Ermida de Nossa Senhora da Graça, que albergava uma imagem de S. Pedro Gonçalvez, venerado pelas gentes do mar que habitavam na área e estendiam as suas redes para secar no terreiro adjacente. Foi esta igreja paroquial até 1412, altura em que a paróquia se deslocou para S. Paulo; parece não ter sofrido grande estrago com o terramoto de 1755, tendo no entanto sido substituída pela igreja actual no século XVIII. Os marinheiros começaram a designar a ermida por Corpo Santo, nome que perdura até aos nossos dias. Fundou-se, em data incerta, uma confraria associada à igreja, designada por Irmandade e Hospital de Senhora da Graça do Corpo Santo, pertencente aos pescadores de Cata-que-Farás (local correspondente aos actual Corpo Santo), a qual tinha grandes proventos derivados de uma pensão paga pelos moradores do bairro e de uma taxa sobre todos os produtos vendidos no largo.[2] A confraria dos mareantes administrava o hospital situado nesse local e, embora tenhamos encontrado referência da incorporação da instituição no Hospital de Todos-os-Santos[3], encontramo-lo ainda descrito cerca de 1551: “O hospital e confraria do Corpo santo está na freguesia dos Mártires. Valem as esmolas que aí fazem cincoenta cruzados.”[4] Desconhecemos a data em que o hospital terminou as suas funções, assim como as suas características.


[1] Mário Martins, S. J., S. Pero Gonçalvez, O. P., O “Corpo Santo” e Gil Vicente, Lusitania Sacra,  p. 39-43, em http://repositorio.ucp.pt/bitstream/10400.14/5045/1/LS_S1_08_Mario%20Martins.pdf
[2] Jorge Manuel da Conceição Rodrigues, A Confraria das Almas do Corpo Santo de Massarelos e suas Congéneres de Mareantes, Dissertação de Mestrado em História Moderna apresentada na Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Porto, 2002, p. 52, em repositorio-aberto.up.pt
[3] Fernando da Silva Correia, Os Velhos Hospitais da Lisboa Antiga, Revista Municipal nº 10, Câmara Municipal de Lisboa, 1941, p. 10-11
[4] Cristóvão Rodrigues de Oliveira, Lisboa em 1551 - Sumário (em que brevemente se contêm algumas coisas assim eclesiásticas como seculares que há na cidade de Lisboa), Livros Horizonte, 1987, p. 56

Sem comentários:

Enviar um comentário